segunda-feira, 30 de outubro de 2017

Nós somos a Comissão de Moradores da Indiana...



Uma história de luta: ocupação e resistência da comunidade Indiana Tijuca
Autoria: Comissão de moradores (Inês Ferreira, Rosinaldo Lima, Anamarcia Rodrigues, Regina Lisboa, Maria Ozilene, Marcello Deodoro, José  Carlos , Jorge Cerqueira e Antônio Carlos Hipólitio)
Co-autoria:  Daniela Petti

Resumo
Esse trabalho retoma a história da ocupação da comunidade Indiana Tijuca, ressaltando suas relações com o Estado e com a sociedade civil, bem como seus esforços para construir uma vida comunitária dinâmica e pujante. Além disso, consta no texto uma descrição detalhada do processo de remoção vivido pelos moradores da Indiana, e das diversas formas encontradas pela comissão de moradores de resistir à política remocionista do PMDB, denunciando as violações de direitos perpetradas pelo Estado, e reivindicando regularização fundiária e urbanização do território. Dessa forma, o presente trabalho, ao realizar o exercício de retomada da história da localidade e mapear seus esforços de resistência junto a muitos parceiros, reafirma a legitimidade da Indiana Tijuca, enquanto uma favela consolidada, que possui o direito à terra em que vivem seus moradores. A atuação dos moradores da Indiana consiste em um claro exercício de cidadania urbana, apesar das atitudes de descaso e negligência da prefeitura na medida em que não os respeita enquanto cidadãos. A trajetória da Indiana Tijuca figura como testemunho de luta pela permanência para muitas outras comunidades que hoje encontram-se ameaçadas de remoção.

Introdução: história da ocupação e cidadania urbana
A Comunidade Indiana se originou por volta de 1957 com a ocupação da família de Dona Amélia Igdorne, que veio da Cidade de Campos para o Rio de Janeiro. Ao instalar-se em um terreno vazio à direita da Rua Paul Underberg (hoje conhecida como  Edifício Maracaí), a família de Dona Amélia permaneceu por 10 anos, até ser expulsa pelo proprietário do terreno, que tinha como objetivo dar início à construção de um prédio. Com o inicío das obras, a família de Dona Amélia foi transferida pelo próprio engenheiro para um local próximo, recebendo uma casa em área livre de construções. Em pouco tempo, parentes de Dona Amélia começaram a chegar e construir seus próprios barracos na localidade. Fluxos de pessoas advindas, principalmente, das regiões Norte e Nordeste começaram a chegar no local, contribuindo dessa forma para a ocupação da região, inicialmente conhecida como “Irmãos Coragem", e atualmente  denominada “Indiana”. Há mais de 50 anos, teve início a ocupação do sopé do Morro do Borel, na Zona Norte do Rio de Janeiro, território que hoje abrange a favela Indiana Tijuca.


           
Ao longo de cinco décadas, 600 famílias passaram a habitar o território da favela. Dona Maria Alves dos Santos de 82 anos chegou à comunidade durante o início da ocupação, constituindo moradia na Indiana há 50 anos. Ela relata em entrevista que "desde que vim morar aqui dizem que vai sair, mas nunca saiu”[1]. Dona Maria atenta para o fato de que a ameaça de remoção da comunidade - ao menos em forma de boatos - sempre rondou o cotidiano de sua família, bem como de outras que ali habitam. É muito comum de se ouvir relatos como o de Dona Maria, inclusive, em outras comunidades da cidade. Muitos apontam a remoção como uma possibilidade que se apresenta cotidianamente para os moradores de favelas do Rio de Janeiro. Essa regularidade denota a incerteza que marca o habitar das classes populares nas comunidades cariocas. Seja de modo formal - por meio de reuniões e documentações do Estado - ou informal - por meio de boatos -, a ameaça da remoção, ou do "vai sair", faz parte da vivência de muitas famílias, e cumpre o papel de intensificar as sensações de insegurança e indeterminação que permeiam tais cotidianos habitacionais.
Depois que a área se conformou em um aglomerado de casas, formou-se em 06 de julho de 1979 a associação de moradores, com o CNPJ 30.486.898/0001-10, apresentando-se desde então aos órgãos públicos como Associação de Moradores da Favela Indiana. A criação de uma associação de moradores, seguida da manutenção de tal órgão como instância de representação da favela atesta uma vida comunitária ativa, bem como a existência de moradores/cidadãos preocupados com a luta pelo reconhecimento, tanto pelo Estado, como por diversos outros grupos que compõem a sociedade civil. A busca por reconhecimento da Indiana apenas se inicia com a criação da associação, podendo ser identificada em muitas outras ações mobilizadas por seus moradores em outras ocasiões da permanente luta contra as remoções.
A comunidade recebeu serviços de luz e coleta de lixo, assim como uma creche do estado do Rio de Janeiro (construída no governo Moreira Franco na década de 80). Os projetos Guardiões dos Rios (em parceria com a Rio Águas e, atualmente, subsidiado pela subprefeitura da Grande Tijuca) e Agente Comunitário de Saúde ( programa federal de sauúde) também contemplaram a comunidade. Ao longo dos anos, a Indiana sempre foi visitada por figuras públicas que exercem cargos políticos, os quais prometem regularização fundiária para que se alcance a posse definitiva dos Imóveis, que atualmente somente têm o registro pela associação de moradores. Tal configuração de registro de imóveis consiste numa prática comum de favelas cariocas que reflete posturas ativas por parte dos moradores. Em meio ao cenário fundiário brasileiro, que restringe o direito de propriedade - por conseguinte o direito à morar de forma segura -  a determinados grupos sociais, as classes populares manejam formas de garantir, minimamente, o direito de habitar. O instrumento da associação de moradores, junto a seus dispositivos - dentre esses o registro de imóveis -, reflete vivências urbanas ativas e de resistência em relação à configuração das terras na cidade. 
A comunidade Indiana possui registros de memória arraigados no espaço urbano suficientes para ter sua história reconhecida e legitimada, tanto pelo Estado, como pela sociedade civil. A dinâmica da vida comunitária, as relações com as três esferas de poder como forma de usufruir de serviços básicos e a organização política iniciada por meio da associação de moradores são indícios de uma trajetória histórica que atribui legitimidade à Indiana, enquanto uma favela consolidada, e ao constante esforço de seus moradores na luta contra as remoções. A autoconstrução das casas pelos moradores, processo que se estende por anos em muitos casos, demonstra um exercício de cidadania, estimulado a partir de uma atitude básica no espaço da cidade, o morar. As ações de descaso do Estado são compensadas pelo engajamento dos moradores na vida em comunidade, fazendo com que os próprios tenham que acionar maneiras de garantir direitos básicos para a vida urbana. Trata-se de um exercício de cidadania marcado por uma relação habitantes-Estado carregada de opressão e negligência por parte do segundo componente dessa relação. A história da ocupação do território e da luta por direitos autoriza os moradores a, 50 anos mais tarde, resistirem a um processo violento de remoção que se perpetua nesses últimos 7 anos.

O processo da remoção e as diversas formas de resistir
No ano de 2009, o então secretário municipal de habitação Jorge Bittar anunciou a remoção completa da Indiana, alegando a necessidade de limpar os 13.754 metros quadrados de área às margens do Rio Maracanã que seria urbanizada e transformada em uma praça. A ideia era reassentar os moradores nas casas do Minha Casa, Minha Vida ( programa habitacional federal) que seriam construídas na região. Bittar em entrevista chega a citar acordo com a associação de moradores para realizar a remoção. No início do ano de 2010, a prefeitura anunciou a remoção de 119 favelas na cidade, incluindo a Indiana, até o fim de 2012. A partir desse momento, agentes da secretaria de habitação passaram a adentrar casas e tirar fotografias com a justificativa de que tais ações tinham relação com a realização de obras de modernização na comunidade[2].
No mesmo ano, houve a implantação da UPP BOREL, o que significou a pacificação de todo o entorno e o fim dos anos de intensos tiroteios e sofrimentos vividos. Percebe-se que a articulação entre a implantação da UPP e a vistoria nas casas após dois anúncios da remoção da favela não se trata de mera contingência. Ambas políticas públicas, uma relativa à segurança pública e outra à habitação, fazem parte de um fenômeno urbano mais abrangente que ocorre, de maneira muito frequente, em cidades que recebem os megaeventos esportivos: a gentrificação. A especulação imobiliária, gerada com a implantação da UPP no Borel, produziu a chamada remoção branca, que atingiu as áreas de classe média da região. A alta de preços dos imóveis do entorno é um sintoma/resultado do processo de gentrificação. A remoção da favela Indiana nesse contexto atende aos interesses dos grupos políticos e econômicos que objetivam dar continuidade à "valorização" do local. É nesse sentido que a implantação da UPP e a ameaça de remoção da Indiana compõem fatores de um projeto de cidade, e não consistem em simples elementos isolados.    
No Ano de 2012, a Secretaria de Habitação, na pessoa de Jorge Bittar, trazido à comunidade pela associação de moradores (presidente Francisco Silva Santos) e pelo subprefeito da Grande Tijuca Gustavo Trota, começou a pressionar os moradores para desistirem de viver na Comunidade, sendo, de inicio, apresentado o projeto “Bairro Carioca" em Triagem. A construção do conjunto habitacional "Bairro Carioca" faz parte do programa "Morar Carioca", que não gerou muitos resultados na cidade, além de apresentar propostas - como a de urbanização de favelas - que entram em contradição com a política remocionista implementada durante os dois mandatos de Eduardo Paes. Pode-se notar uma linha de continuidade entre a atuação dos agentes da prefeitura no ano de 210, quando da vistoria das casas, e as reuniões convocadas pela secretaria de habitação para apresentar o projeto do conjunto do Minha Casa, Minha Vida em 2012. A não vinculação entre tal vistoria e os objetivos remocionistas enunciada pelos agentes da prefeitura denota uma das diversas estratégias acionadas pelo Estado durante os processos de remoção. Muitas vezes, não fica claro o porquê das fotografias dos cômodos ou da medição da área dos imóveis, fazendo com que os moradores não tenham total ciência dos objetivos finais das ações estatais.
 As primeiras reuniões com a secretaria no território da Indiana também geraram muitos conflitos internos entre os moradores. A produção de divergências internas consiste, da mesma forma, em estratégia da prefeitura para levar diante o processo de remoção, pois a resistência enfraquece diante de divergências internas. Tanto a pouca clareza com relação aos objetivos de certas atuações estatais, quanto a fabricação dos conflitos, geram um cenário confuso, cheio de ambiguidades, dúvidas e dissensos, que prejudica a ação dos movimentos sociais que emergem de momentos críticos como as remoções. Os moradores, muitas vezes, não enxergam lógica nas ações estatais, na medida em que os próprios agentes do Estado se contradizem, tanto no discurso, como na prática. Todo esse quadro torna-se interessante para os grupos políticos e econômicos dominantes, uma vez que pode acelerar a remoção ao enfraquecer as iniciativas de resistência.                       
O ápice do processo foi no mês de agosto, quando os apartamentos começaram a ser entregues e as casas eram demolidas sem o mínimo de segurança, prejudicando as condições de vida dos moradores restantes. Denúncias, reuniões, solicitações de esclarecimento e nada era resolvido. Nessa época, formou-se a Comissão de Moradores Indiana Tijuca, composta por 12 membros da comunidade, que tinha como objetivo fazer frente aos abusos e desmandos da prefeitura. A Pastoral de Favelas e o Núcleo de Terras e Habitação (Nuth) da Defensoria Pública do Estado do Rio de Janeiro foram contactados pela comissão para auxiliarem os moradores na empreitada da resistência. Apesar da luta da comissão de moradores, poucos resultados eram alcançados no sentido de frear o processo perpetrado pela prefeitura. Em outubro de 2012, porém, os moradores e o Nuth entraram com o processo que solicitava que a remoção parasse por completo. Além disso, lutando em outra frente, a comissão deu entrada com o processo no Instituto de Terras e Cartografia do estado do Rio de Janeiro (ITERJ), demandando a regularização fundiária. O Nuth e a Pastoral de Favelas são órgãos que contribuíram, e contribuem, essencialmente, para a luta contra as remoções na Indiana e em outras comunidades.
 Quando da troca do secretário de habitação - sai o deputado federal Jorge Bittar e entra Pierre Batista no dia 10 de dezembro de 2012 - surgiu a liminar que fez com que a secretaria de habitação passasse a escutar mais os moradores e investisse na via da negociação para tentar convencer os moradores a desistirem da ideia de lutar para permanecer, o que não aconteceu. Da pura arbitrariedade à tentativas de negociação, a prefeitura segue engendrando estratégias e táticas para realizar a remoção total. A sutil transformação na metodologia da prefeitura tem relação com a luta pela permanência na frente jurídica, junto aos defensores do Nuth. A luta contra as remoções é complexa, abrangendo várias frentes: a jurídica - ações, processos e liminares -, a política - manifestações, atividades, produção de cartazes, camisas e faixas -, a da comunicação - divulgação de informações e denúncias, comunicação comunitária nos grupos de whatsapp -, dentre outras.
Para empreender todas essas frentes da luta contra as remoções, a comissão de moradores se articula com diversos parceiros, como outras  comunidades impactadas (Comunidade do Horto,Vidigal, Manguinhos, Providência, Santa Marta, Pavão Pavãzinho), grupos políticos (COMLUTAS, Comitê Popular da Copa e das Olimpíadas, SINDISPRÉ), além de inúmeros colaboradores individuais, determinados políticos etc. A luta é travada tanto dentro como fora da Indiana, com a realização de reuniões e caminhadas. É notável o esforço dos moradores no sentido da criação de uma rede composta tanto por grupos e por apoiadores individuais, como por órgãos estatais - Nuth e ITERJ, por exemplo. A rede fortalece a resistência, na medida em que contribui para a circulação das informações centrais do processo de remoção, bem como permite a troca de experiências entre pessoas que vivenciam o mesmo processo.


















No  Inicio  de 2013, a Comissão de Moradores, tentou exonerar a Associação de Moradores da Indiana, que ao invés de lutar pela comunidade, cada vez mais desestimulava a resistência. Isso causava um desgaste com o poder público e com as parcerias, que ficavam em dúvida quanto às informações prestadas. A prefeitura dizia que o poder legal era da Associação de Moradores da Indiana, e não reconhecia um "grupinho" resistente. A movimentação para destituir a Associação de Moradores da Indiana Tijuca, foi  confusa. Em certa ocasião de reunião, a subprefeitura, em conjunto com a diretoria da associação, trouxe vans com moradores já residentes de Triagem, para tumultuar a reunião, o que gerou um cenário bastante conturbado, chegando ao ponto da UPP despender esforços para conter os ânimos dos moradores presentes. O objetivo, então, não foi atingido. O que se vê é a penetração da prefeitura nos conflitos internos da favela, a fim de servir aos interesses remocionistas.
No dia 16 de maio de 2013, o ITERJ esteve na Indiana e demarcou  toda a sua extensão. Começa na prática, oficialmente, a regularização fundiária, graças aos esforços da comissão de moradores e ao empenho de amigos e colaboradores. Devido à descoberta de um antigo laudo da Georio, os moradores receberam a notícia de que a comunidade é classificada como de baixo risco. Com o apoio de universitários da área da arquitetura, a comissão agora tem clareza de que é possível realizar obras de contenção e viabilizar a urbanização da favela, tendo em vistas suas características geográficas. A parceria com a universidade provê um acúmulo de conhecimento advindo de diversas áreas, como arquitetura e urbanismo, ciências sociais, geografia e direito que potencializa a luta pela permanência.
No decorrer de 2013, mesmo estando com esse processo no ITERJ em andamento e tendo o conhecimento de que existe esse laudo de baixo risco, a comissão de moradores descobriu o que seria mais um golpe duro contra a luta pela permanência. Trata-se da vinda do PAC 2, ou seja a perspectiva era a de ter de enfrentar não somente o poder municipal, mas também o federal. Na reunião do PAC do Salgueiro em que moradores fizeram-se presentes, chegaram informações de que no terreno da Indiana Tijuca estaria sendo projetado a construção de 80 unidades habitacionais para os moradores do morro do Borel, o que significa que após a saída da favela, se o espaço não fosse transformado em condomínio de luxo, seria um anexo do morro do Borel. Imediatamente tal fato é relatado para o Nuth e, por meio de um ofício, a coordenação do PAC 2 é informada de que não poderia jamais realizar tal absurdo, já que o terreno tem dono, sendo esses  os moradores desde o ano de 1957, conforme registros levantados.
No dia 08/08/2013, após intensa participação em movimentos sociais, o Comitê Popular da Copa e das Olimpíadas participou de uma reunião com o prefeito do Rio de Janeiro, solicitada pelo mesmo. O encontro terminou com alguns compromissos do prefeito, tais como:  garantir a permanência da comunidade Indiana. O prefeito se comprometeu a ir à comunidade no domingo (18/8) às 8 horas, para anunciar sua permanência e os processos de urbanização e regularização fundiária do local. O documento assinado por ele se mostrou eficaz aos olhos da comissão de moradores, na medida em que daria um ponto final nas desavenças entre os que desejavam sair do local para morar no empreendimento imobiliário Bairro Carioca em Triagem e os que desejavam permanecer na Indiana. A prefeitura em nenhum momento escutou a todos, atentando somente para os que foram pressionados - e assediados - a sair, e deixar a história da Indiana em escombros. Tal negociação não foi bem aceita por quem estava inflando os ânimos dos moradores, mas graças à intervenção do gabinete do vereador Reimont, o documento foi gerado, atendendo ambas as partes, e assinado pelo prefeito Eduardo Paes.
Nessa mesma vinda do prefeito à Indiana, um de seus secretários esteve presente e concordou com ambos os grupos: o que desejava sair e o que desejava permanecer. Houve vídeo e testemunhas, mas somente o grupo que buscava ganhar apartamentos foi atendido e, passados 3 anos desse acordo, nada foi realizado em prol da contenção do Rio Maracanã, tampouco das obras de infraestrutura dentro da comunidade. As desavenças voltaram a acontecer, pois as pessoas que ganharam apartamentos, ao perceberem que a prefeitura não faria mais a remoção, reinvindicaram as suas casas para poder alugar ou colocar parentes, até ser decidido pela justiça o que seria feito de fato na comunidade. A prefeitura foi omissa e covarde e, mais uma vez, colocou a comissão de moradores e os que lutam pela permanência e por obras de melhoria em total desvantagem. A partir dessa descrição, fica claro como o Estado dedica-se a se utilizar das relações intergrupais da comunidade para criar um cenário adequado a suas ações e objetivos. No ano de 2014, a expectativa de que o acordo seria atendido era grande. No entanto, apesar dos esforços da comissão, a prefeitura foi totalmente arredia e desconsiderou a aflição dos moradores. A frente de apoio do movimento continuou sendo a participação nas manifestações e reuniões, conversas com a Defensoria Pública, bem como tentativas de divulgar, em pleno ano da Copa do Mundo, que a gestão Eduardo Paes é uma farsa.
    No inicio de 2015, para fortalecer a pauta da permanência, o cardeal Dom Orani Tempesta  foi trazido pelos moradores para realizar uma missa na frente da comunidade, estabelecendo um marco na história da Indiana.  Pela primeira vez, muitas autoridades públicas vieram ao local, prestigiaram o evento, e tomaram consciência de que a Indiana estava fazendo a sua parte, ou seja,  lutando para permanecer.




      Já em meados de 2015, mais precisamente no final do primeiro semestre, a diretoria da associação de moradores, liderada pelo Francisco Santos Silva, se rendeu à resistência da comissão de moradores, ao declarar que abandonaria a associação. A comissão não tinha o intuito de ficar à frente da associação, mas somente desejava ser  escutada pela instância, assim como fazer com que os moradores  permanecessem em suas casas. Outro dilema então surgiu: quem seria colocado para dar continuidade à associação de moradores? Por mais que tenha sido cooptada, a mesma faz parte da história da Indiana,, e nesse momento  o movimento precisava de um CNPJ. As chapas foram formadas: Dona Clarice Afonso , a mais antiga moradora (octogenária) e Maria do Socorro, ambas da comissão de moradores. Na data especificada para as eleições, houve a desistência, por motivos de ordem pessoal, de Dona Clarice, e Maria do Socorro foi eleita por aclamação, o que ocorre quando não existe a necessidade de certa quantidade de votos, ou seja, somente é realizada a cerimônia com a presença da instituição fiscalizadora, nesse caso a FAFERJ ou a FAFRIO.
Após essa nova fase, a comissão de moradores entendeu que agora a missão iria continuar e que as condições se reverteriam em favor da resistência.  Infelizmente, as reuniões que eram constantes acabaram e muitos problemas anteriores voltaram a acontecer, mas, dessa vez, com o afastamento de colaboradores e apoiadores, que costumavam contribuir para a luta pela permanência. Por não ter um espaço na associação para trabalhar, o ITERJ parou de visitar a comunidade - situação que ficou mal esclarecida. A Defensoria Pública (Nuth) criou, então,  um vínculo com um grupo de estudantes universitários, resultando na construção de uma grade para realização dos estudos do plano de urbanização da Indiana Tijuca, algo que era sempre mencionado no processo, portanto necessário para que os moradores apresentassem em juízo. Esse grupo também se viu sem o apoio da associação de moradores, o que se tornouum impedimento, na medida em que era preciso um vínculo entre os estudantes e uma representação formal da comunidade para dar continuidade ao processo .
A comissão de moradores teve sempre o objetivo de atrair a atenção pública para poder expressar suas dificuldades e trazer apoio para a luta, de maneira a não ficar isolada - como "estrela no palco". O poder tomou conta da associação de moradores e, com isso, a comissão voltou a ter um adversário interno, que sabia como funcionava a comissão, suas atividades, decisões, bem como opiniões e divergências pessoais, o que gerou muito mal estar. Mais uma vez a luta conjunta pela comunidade saiu de foco, dando lugar aos enfrentamentos internos: a nova associação de moradores e a antiga comissão de moradores.
       No incio de 2016, houve uma perda significativa na luta, a defensora Maria Lucia de Pontes foi remanejada para ser superintendente do INCRA. Isso ocorreu justamente no momento em que  a comissão de moradores estava cada vez mais fragilizada, e buscando cobrar as promessas do poder público. Nessa fase, a comissão ficou , praticamente, ausente dos movimentos sociais. No entanto, a luta  clamava para que os moradores não desistissem de nada, e as coisas foram voltando aos poucos ao normal. Atualmente, a comissão está de volta nas reuniões dos colaboradores, estimulando a comunicação popular por meio do site e do grupo de whatsapp - que tem se mostrado uma ferramenta fundamental -, mostrando, em pleno funcionamento,  que ainda existe muito a se fazer para que a luta não seja em vão. A saída de Maria Lucia demonstrou a importância do defensor público conhecer bem as comunidades com as quais trabalha, estar sempre colado aos movimentos sociais, já que a comissão enfrentou muitas dificuldades com defensores substitutos que precisavam, constantemente, de esclarecimentos e atualizações.
Em 12 de julho de 2016, a decisão judicial afirmou que não existe nada que comprove a irregularidade da Indiana, mas, ainda assim,  a prefeitura pode recorrer, pois é um direito dela desde que apresente provas e um projeto que seja sustentadpo com base em  afirmações técnicas e orçamentárias. Felizmente, em setembro de 2016, a defensora Maria Lucia de Pontes está de volta ao Nuth, e irá contribuir para reativar as reuniões dentro da comunidade Indiana, para fazer com que se crie um clima democrático, o que não se tem no momento. Os moradores, sejam novos ou antigos, apenas desejam esclarecimentos, e com as reuniões, pode-se sempre garantir pessoas que saibam que é preciso defender a permanência da comunidade Indiana Tijuca, pois a remoção é um risco constante, não somente para a Indiana, mas também para outras favelas da cidade.

Considerações finais
Esse trabalho de retomada da memória da favela Indiana Tijuca aponta para algumas direções essenciais relacionadas à questão da terra na cidade do Rio de Janeiro, servindo como paradigma para os outros diversos casos de remoção de comunidades que hoje estão em curso. A resistência da Indiana e de outras comunidades se inicia a partir do momento em que não há garantia de segurança da posse da terra, logo do direito à moradia, para as camadas populares. O contexto dos megaeventos esportivos, impulsionado pelo mandato autocrático do prefeito Eduardo Paes - e do PMDB como um todo - , apenas intensifica a incerteza que perpassa a vida cotidiana dos habitantes de favelas cariocas.
O Estado, no caso da Indiana materializado na prefeitura, aciona diversas estratégias para garantir os interesses dos grupos econômicos interessados no solo urbano. Desinformação,  o uso da oralidade, negligência quanto aos escombros das demolições e o estímulo aos conflitos internos são algumas dessas táticas estatais. Principalmente quando existe resistência,  o processo da remoção costuma ser gradual, bem como violento, arbitrário e pouco transparente. As propostas de compensação em troca das casas, normalmente, consistem em baixas indenizações, valores ínfimos de aluguel social, assim como oferta de apartamentos do programa federal Minha Casa, Minha Vida que, muitas vezes, são distantes do local original de moradia, de baixa qualidade e custosos para o morador - mesmo quando a prefeitura propõe a chamada "troca de chaves", pois acaba se tornando promessa não cumprida. Os moradores não são reconhecidos pelo Estado, enquanto cidadãos dignos de exercer condições adequadas de habitabilidade.
É nesse contexto que os moradores de favelas encontram formas de organização política que fogem dos modos políticos tradicionais da democracia representativa. Aprendem a agir de maneira estratégica, repudiando a penetração da poltiica partidária em suas atitudes, porém reivindicando as instituições na medida em que têm clareza do cenário em que estão inseridos, já que essas são, em muitos casos, centrais para a continuidade da luta. Os moradores da Indiana têm o discernimento de mapear partidos e figuras públicas que estão dispostos a contribuir para a resistência, assim como estabelecer relações de confiança e apoio com os defensores do  Núcleo de Terras e Habitação (Nuth) da Defensoria. É na interface do movimento insurgente e da institucionalidade, que os moradores identificam seus problemas, prioridades e demandas, e engendram ações coletivas na empreitada contra as remoções.
A história da Indiana serve de testemunho para muitas outras comunidades que vivem, cotidianamente, situações semelhantes. Espaços como o Conselho Popular, ou os grupos de whatsapp, cumprem o papel de articular os grupos comunitários  e os movimentos sociais, fazendo com que as comunidades compartilhem saberes e experiências acerca de processos excludentes e antidemocráticos, como a remoção. A resistência da Indiana deve ser registrada e utilizada como objeto de reflexão para a sociedade, de forma que violações de direitos como as que os moradores sofreram não venham a se repetir no futuro.   








[1] Fala retirada da seguinte reportagem: http://rioonwatch.org.br/?p=10238
[2] Informações retiradas da seguinte reportagem: http://rioonwatch.org.br/?p=10238

40 anos da Pastoral de Favelas do Rio de Janeiro

No Sábado dia 28 de Outubro de 2017, estivemos celebrando 40 anos da Pastoral de Favelas do Rio de Janeiro. Foram muitas as lutas e muitas também as vitórias. Tenho o orgulho de ter participado um pouco desta história construída e ainda em construção que começou junto ao moradores do Vidigal que estavam ameaçados de perder suas moradias. A Pastoral de Favelas do Rio é reconhecida no mundo inteiro como esta parcela da Igreja que tem lado e que não abre mão de estar junto dos pobres. Para não ser injusto vou citar três nomes e três comunidades: Monsenhor Luiz Antônio, Dra Eliane e Luiz Severino, Vila Autódromo, Horto e Rio das Pedras. São inúmeros nomes e inúmeras comunidades que não daria para citar aqui. Fica meu agradecimento e reconhecimento deste trabalho que é parte significativa da luta dos pobres de nossa cidade por Terra, Trabalho e Teto como nos indicou o Papa Francisco em Sta Cruz de la Sierra.

Texto do Vereador Reimont Otoni



domingo, 22 de outubro de 2017

18 de Outubro de 2017 Votação do Orçamento 2018...RJ

Proposta do Orçamento Público para a Cidade do Rio de Janeiro em 2018.
Locais que serão beneficiados diretamente:
Mangueira / Providência / Rocinha / Morro do Andarai
Obra de Grande Porte: Avenida Brasil, da altura do Bairro de Deodoro até a Central do Brasil ( Vai dar M...).
Vilas Olímpicas..terão sua fatia...
Habitação... muito Bla Bla... e ninguém sabe na verdade se teremos muitas remoções ou Investimentos
Querem fazer muita coisa..sem olhar para trás e consertar os erros das gestões passadas...O gestor mudou...mas muitos Políticos sabem o que aconteceu e onde Precisam atuar..
Plenária Conturbada...local de democracia..palavras tiveram que ser medidas..Presidente da Casa, sem educação, impede o Cidadão de se expressar e até Defensor público tem que levantar a voz, para poder ter o direito a falar....

Cinemão na Comunidade Indiana



Cinemão na Comunidade Indiana Tijuca foi um Sucesso!!!
As crianças da Indiana com o pessoal da faculdade projeto Abricó, filme em Cartaz "Tarzan o novo filme" .
Iniciativa: AnaMarcia Rodrigues ( Comissão de Moradores da Comunidade Indiana Tijuca) e Faculdade ( Estudantes de Arquitetura ).